UM BLOG A SERVIÇO DE CRISTO

domingo, 27 de outubro de 2013

245 - NA FORJA DAS TRIBULAÇÕES


“Meus irmãos, considerem motivo de grande alegria o fato de passarem por diversas provações, pois vocês sabem que a prova da sua fé produz perseverança. E a perseverança deve ter ação completa, a fim de que vocês sejam maduros e íntegros, sem lhes faltar coisa alguma.”  (Tiago 1.2-4)

Tiago, irmão de Jesus, escreveu uma carta aos cristãos que estavam sofrendo perseguição.

Eles haviam sido expulsos de Jerusalém e deixado para trás seus bens, familiares e amigos.

Estavam começando vida nova em outro lugar, e precisavam construir novos relacionamentos, redefinir sua carreira profissional e ainda por cima se defender dos ataques daqueles que se opunham à sua fé em Jesus Cristo.

Um dos conselhos de Tiago para aqueles cristãos em situação tão adversa foi que deveriam receber com alegria as tribulações e provações que a vida colocava diante deles.

Tiago justificou seu conselho apresentando três conseqüências das tribulações.

As tribulações provam a nossa fé, isto é, revelam a qualidade dos alicerces onde construímos nossas vidas.

Outra maneira de dizer isso é que as tribulações nos mostram quem de fato somos.

Muitas pessoas vivem iludidas em relação a si mesmas, e por esta razão constroem suas vidas em alicerces falsos – e vice-versa.

Cedo ou tarde estes alicerces são desmascarados e tudo o que está sobre eles pode ruir, como por exemplo: auto-estima, esperança, prazer de viver, relacionamentos, sonhos de futuro, carreira profissional. 

As situações da vida que confrontam nossos alicerces existenciais são de fato oportunidades extraordinárias para nos reinventarmos, tanto substituindo o que identificamos como inadequado, quanto no desenvolvimento do que identificamos frágil.

As tribulações produzem perseverança, isto é, nos fortalecem para enfrentar a vida.

O ditado popular diz que “Deus dá o frio conforme o cobertor”.

Acredito nisso.

 Acredito que o exercício de viver nos coloca diante de desafios proporcionais à maturidade. 

Uma é a dificuldade da criança, outra, do adolescente, e outra, dos adultos que já não acreditam em Papai Noel e já deixaram a prepotência juvenil de lado. 

As dificuldades que enfrentamos no caminho nos ajudam a encarar a vida e continuar andando rumo ao futuro desejado. 

À medida que vamos encarando e superando as tribulações, vamos perdendo o medo de cara feia, até que a vida mostra sua face mais terrível e se surpreende com nossa capacidade de superá-la.

Finalmente, as tribulações nos fazem pessoas maduras e íntegras, sem falta de nada. 

Atravessar tempos difíceis exige de nós a descoberta e o desenvolvimento de recursos interiores.

As tribulações nos tiram todos os pontos externos de apoio: nos sentimos solitários, incompreendidos e injustiçados; perdemos posição, status e privilégios, além de dinheiro e conforto; e descobrimos que as bases onde escorávamos nossa identidade e as fontes de onde tirávamos forças para viver eram falsas ou insuficientes.

Nesse momento, olhamos para dentro e para o alto.

E descobrimos uma fé mais amadurecida, que nos aproxima mais de Deus, e recebemos a coragem de continuar vivendo.

Estranhamente, vamos percebendo que precisávamos de bem menos do que imaginávamos para a nossa felicidade, até que surpresos, nos deparamos com a sensação de que muito embora o mundo lá fora esteja em convulsão, o mundo de dentro do coração, está em paz e serenidade.

Quando chegamos nesse ponto de integridade (integralidade) é que passamos a desfrutar dos poucos recursos, dos amigos raros e das pequenas alegrias do dia-a-dia como suficientes para a felicidade.

Aí sim, somos homens e mulheres de verdade.

Construídos na forja das tribulações. Livres das ilusões. Prontos para viver, dar e construir.


Ed René Kevitz.


 Que Deus abençoe a todos.


 *VALE A PENA, VISITE TAMBÉM: PÚLPITO CRISTÃO - http://www.pulpitocristao.com/  VALE A PENA.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 20 de outubro de 2013

244 - COMO ASSIM, “NÃO TOQUEIS NO UNGIDO DO SENHOR…” ?!


Há várias passagens na Bíblia onde aparecem expressões iguais ou semelhantes a estas do título desta postagem:

"A ninguém permitiu que os oprimisse; antes, por amor deles, repreendeu a reis, dizendo: Não toqueis nos meus ungidos, nem maltrateis os meus profetas." (1Cr 16:21-22; cf. Sl 105:15).

Todavia, a passagem mais conhecida é aquela em que Davi, sendo pressionado pelos seus homens para aproveitar a oportunidade de matar Saul na caverna, respondeu

"O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, isto é, que eu estenda a mão contra ele [Saul], pois é o ungido do Senhor." (1Sm 24:6).

Noutra ocasião, Davi impediu com o mesmo argumento que Abisai, seu homem de confiança, matasse Saul, que dormia tranquilamente ao relento

"Não o mates, pois quem haverá que estenda a mão contra o ungido do Senhor e fique inocente?" (1Sm 26:9). 

Davi de tal forma respeitava Saul, como ungido do Senhor, que não perdoou o homem que o matou

“Como não temeste estender a mão para matares o ungido do Senhor?” (2Sm 1:14).

Esta relutância de Davi em matar Saul por ser ele o ungido do Senhor tem sido interpretado por muitos evangélicos como um princípio bíblico referente aos pastores e líderes a ser observado em nossos dias, nas igrejas cristãs.

Para eles, uma vez que os pastores, bispos e apóstolos são os ungidos do Senhor, não se pode levantar a mão contra eles, isto é, não se pode acusa-los, contraditá-los, questioná-los, criticá-los e muito menos mover-se qualquer ação contrária a eles.

A unção do Senhor funcionaria como uma espécie de proteção e imunidade dada por Deus aos seus ungidos.

Ir contra eles seria ir contra o próprio Deus.

Mas, será que é isto mesmo que a Bíblia ensina?

A expressão “ungido do Senhor” usada na Bíblia em referência aos reis de Israel se deve ao fato de que os mesmos eram oficialmente escolhidos e designados por Deus para ocupar o cargo mediante a unção feita por um juiz ou profeta.

Na ocasião, era derramado óleo sobre sua cabeça para separá-lo para o cargo.

Foi o que Samuel fez com Saul e depois com Davi.
 
"Então tomou Samuel um vaso de azeite, e lho derramou sobre a cabeça, e beijou-o, e disse: Porventura não te ungiu o SENHOR por capitão sobre a sua herança?" (1 Samuel 10:1) 

"Então Samuel tomou o chifre do azeite, e ungiu-o no meio de seus irmãos; e desde aquele dia em diante o Espírito do Senhor se apoderou de Davi; então Samuel se levantou, e voltou a Ramá." (1 Samuel 16:13)
Então Samuel tomou o chifre do azeite, e ungiu-o no meio de seus irmãos; e desde aquele dia em diante o Espírito do Senhor se apoderou de Davi; então Samuel se levantou, e voltou a Ramá.
1 Samuel 16:13

A razão pela qual Davi não queria matar Saul era porque reconhecia que ele, mesmo de forma indigna, ocupava um cargo designado por Deus.

Davi não queria ser culpado de matar aquele que havia recebido a unção real.

Mas, o que não se pode ignorar é que este respeito pela vida do rei não impediu Davi de confrontar Saul e acusá-lo de injustiça e perversidade em persegui-lo sem causa.  
"O Senhor, porém, será juiz, e julgará entre mim e ti, e verá, e advogará a minha causa, e me defenderá da tua mão." (1Sam 24:15)

Davi não iria matá-lo, mas invocou a Deus como juiz contra Saul, diante de todo o exército de Israel, e pediu abertamente a Deus que castigasse Saul, vingando a ele, Davi.  

Julgue o Senhor entre mim e ti, e vingue-me o Senhor de ti; porém a minha mão não será contra ti
1 Samuel 24:
"Julgue o Senhor entre mim e ti, e vingue-me o Senhor de ti; porém a minha mão não será contra ti." (1Sam 24:12)

Davi também dizia a seus aliados que a hora de Saul estava por chegar, quando o próprio Deus haveria de matá-lo por seus pecados.

"E disse Davi a Abisai: Nenhum dano lhe faças; porque quem estendeu a sua mão contra o ungido do Senhor, e ficou inocente? 


Disse mais Davi: Vive o Senhor que o Senhor o ferirá, ou o seu dia chegará em que morra, ou descerá para a batalha e perecerá." (1Sam 26:9-10)

O Salmo 18 é atribuído a Davi, que o teria composto “no dia em que o Senhor o livrou de todos os seus inimigos e das mãos de Saul.”

Não podemos ter plena certeza da veracidade deste cabeçalho, mas existe a grande possibilidade de que reflita o exato momento histórico em que foi composto.

Sendo assim, o que vemos é Davi compondo um salmo de gratidão a Deus por tê-lo livrado do “homem violento”, por ter tomado vingança dos que o perseguiam. 

“O que me livra de meus inimigos; sim, tu me exaltas sobre os que se levantam contra mim, tu me livras do homem violento.” (Salmos 18:48)
“É Deus que me vinga inteiramente, e sujeita os povos debaixo de mim.” (Salmos 18:47)

Em resumo, Davi não queria ser aquele que haveria de matar o ímpio rei Saul pelo fato do mesmo ter sido ungido com óleo pelo profeta Samuel para ser rei de Israel. Isto, todavia, não impediu Davi de enfrentá-lo, confrontá-lo, invocar o juízo e a vingança de Deus contra ele, e entregá-lo nas mãos do Senhor para que ao seu tempo o castigasse devidamente por seus pecados.

O que não entendo é como, então, alguém pode tomar a história de Davi se recusando a matar Saul, por ser o ungido do Senhor, como base para este estranho conceito de que não se pode questionar, confrontar, contraditar, discordar e mesmo enfrentar com firmeza pessoas que ocupam posição de autoridade nas igrejas quando os mesmos se tornam repreensíveis na doutrina e na prática.

Não há dúvida que nossos líderes espirituais merecem todo nosso respeito e confiança, e que devemos acatar a autoridade deles – enquanto, é claro, eles estiverem submissos à Palavra de Deus, pregando a verdade e andando de maneira digna, honesta e verdadeira.

Quando se tornam repreensíveis, devem ser corrigidos e admoestados. Paulo orienta Timóteo da seguinte maneira, no caso de presbíteros (bispos/pastores) que errarem:

"Não aceites denúncia contra presbítero, senão exclusivamente sob o depoimento de duas ou três testemunhas. 

Quanto aos que vivem no pecado, repreende-os na presença de todos, para que também os demais temam" (1Tim 5:19-20).

Os “que vivem no pecado”, pelo contexto, é uma referência aos presbíteros mencionados no versículo anterior.

Os mesmos devem ser repreendidos publicamente.

Mas, o que impressiona mesmo é a seguinte constatação.

Nunca os apóstolos de Jesus Cristo apelaram para a “imunidade da unção” quando foram acusados, perseguidos e vilipendiados pelos próprios crentes.

O melhor exemplo é o do próprio apóstolo Paulo, ungido por Deus para ser apóstolo dos gentios.

Quantos sofrimentos ele não passou às mãos dos crentes da igreja de Corinto, seus próprios filhos na fé!

 Reproduzo apenas uma passagem de sua primeira carta a eles, onde ele revela toda a ironia, veneno, maldade e sarcasmo com que os coríntios o tratavam:

"Já estais fartos, já estais ricos; chegastes a reinar sem nós; sim, tomara reinásseis para que também nós viéssemos a reinar convosco.

Porque a mim me parece que Deus nos pôs a nós, os apóstolos, em último lugar, como se fôssemos condenados à morte; porque nos tornamos espetáculo ao mundo, tanto a anjos, como a homens.

Nós somos loucos por causa de Cristo, e vós, sábios em Cristo; nós, fracos, e vós, fortes; vós, nobres, e nós, desprezíveis.

 Até à presente hora, sofremos fome, e sede, e nudez; e somos esbofeteados, e não temos morada certa, e nos afadigamos, trabalhando com as nossas próprias mãos. 


Quando somos injuriados, bendizemos; quando perseguidos, suportamos; quando caluniados, procuramos conciliação; até agora, temos chegado a ser considerados lixo do mundo, escória de todos.

Não vos escrevo estas coisas para vos envergonhar; pelo contrário, para vos admoestar como a filhos meus amados. 

Porque, ainda que tivésseis milhares de preceptores em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; pois eu, pelo evangelho, vos gerei em Cristo Jesus. Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores" (1Cor 4:8-17).

Por que é que eu não encontro nesta queixa de Paulo a repreensão, “como vocês ousam se levantar contra o ungido do Senhor?” 

Homens de Deus, os verdadeiros ungidos por Ele para o trabalho pastoral, não respondem às discordâncias, críticas e questionamentos calando a boca das ovelhas com “não me toque que sou ungido do Senhor,” mas com trabalho, argumentos, verdade e sinceridade.

Não toque no ungido do Senhor” é apelação de quem não tem nem argumento e nem exemplo para dar como resposta.


Que Deus abençoe a todos.


Fonte: http://www.tempora-mores.blogspot.com.br/


*VISITE TAMBÉM: O TEMPORA, O MORES - http://www.tempora-mores.blogspot.com.br/ VALE A PENA.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sábado, 12 de outubro de 2013

243 - [180] O FILME - 33 MINUTOS QUE IRÃO SACUDIR SEU MUNDO!


Documentário fantástico sobre aborto. São 33 minutos que farão você pensar sobre o assunto. 

Cabe lembrar que o filme possui algumas cenas fortes, então recomendamos cuidado. 

Por fim, esperamos que você valorize a vida humana ainda mais após vê-lo:


*VISITE TAMBÉM: UNIÃO DOS BLOGUEIROS EVANGÉLICOS - http://www.http://www.ubeblogs.net/ VALE A PENA.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

domingo, 6 de outubro de 2013

242 - OUVINDO A VOZ DE DEUS



Ouvir a voz de Deus é vital para desfrutarmos Seu plano eterno para nossas vidas.

Ouvir a Deus é uma decisão pessoal, ninguém pode fazer isso por nós, Deus não nos forçará a escolhermos a Sua vontade, mas fará tudo que puder para nos encorajar a dizer “sim” aos Seus caminhos.

Deus quer se envolver até nos mínimos detalhes de nossas vidas.

Sua Palavra nos diz que devemos reconhecê-Lo em TODOS os nossos caminhos, e Ele endireitará as nossas veredas (ver Provérbios 3:6).  

Reconhecer Deus é se importar com o que Ele pensa e pedir a opinião Dele.  

O versículo 7 de provérbios 3 diz: “Não seja sábio aos seus próprios olhos”. 

Em outras palavras, nem sequer pense que você pode governar sua vida e fazer um bom trabalho sem a ajuda e a direção de Deus.

A maioria de nós demora demais para aprender esta importante lição.

A Bíblia nos ensina que Deus tem um plano para todos aqueles que colocarem a sua fé (ÚNICA e exclusivamente) em Jesus Cristo como Senhor de suas vidas.

Seu plano é completo em cada detalhe, e conduzirá todos os que O seguirem a uma vida abundante.

Contudo, poucas pessoas desfrutam da realização do plano perfeito de Deus para suas vidas porque a maioria não sabe como ouvir a direção do Senhor e seguí-Lo.

Em vez disso, elas optam por seguirem o seu próprio caminho.  

Nunca hesite em levar a Deus aquilo que você pensa que são pequenas coisas; afinal, tudo é pequeno para Deus.

É crucial conhecer o que a Bíblia diz sobre o papel de Deus em sua vida, porque ela confirma o Seu plano divino de estar INTIMAMENTE envolvido com TUDO que diz respeito a você. 

“Porque sou Eu que conheço os planos que tenho para vocês, diz o Senhor, planos de fazê-los prosperar e não de lhes causar dano, planos de dar-lhes esperança e um futuro. 

Então vocês clamarão a Mim, virão a Mim, e Eu os ouvirei. 

Vocês me procurarão e Me acharão quando Me procurarem de todo o coração. 

Eu me deixarei ser encontrado por vocês, declara o Senhor.” (Jeremias 29:11-14).

Jesus disse aos Seus discípulos: “Tenho ainda muito o que lhes dizer, mas vocês não o podem suportar agora. 

Mas quando o Espírito da verdade vier, Ele os guiará a toda a verdade.” (Jo 16:12-13) 

Ele também disse que o Espirito Santo continuaria a nos ensinar todas as coisas e traria à memória tudo que Deus declarou em Sua Palavra. (ver Jo 14:26).


Quando disse estas palavras, Jesus estava falando a homens com quem havia passado os três anos anteriores.

Eles haviam estado com eles dia e noite, mas Ele ressaltou que tinha mais a ensinar-lhes.

Jesus disse que deveríamos esperar mais, porque Ele sempre terá algo a nos dizer sobre novas situações que estamos enfrentando.

O livro de João oferece um estudo abrangente sobre a promessa de Deus de nos guiar intimamente.

No capítulo 6, Jesus disse: “Está escrito nos profetas: ‘Todos serão ensinados por Deus’. Todos os que ouvem o Pai e Dele aprendem vêm a mim.” (v. 45)

Deus sabe que precisamos de ajuda para compreender o Seu plano para nós, por isso enviou o Espírito Santo para habitar dentro de todo cristão (aquele que tem Jesus Cristo como seu ÚNICO e suficiente Salvador).

Ele é o nosso Guia, o nosso Mestre da verdade, o nosso Conselheiro, e o nosso Ajudador, Ele também é o nosso Consolador, ou parakleton, que é o “chamado para andar ao lado de alguém”.


Jesus disse que era melhor que Ele partisse, porque se Ele não fosse, o Conselheiro (o Espírito Santo) não viria.

Jesus estava confinado a um corpo assim como nós, e só podia estar em um lugar de cada vez.

Mas o Espírito Santo pode estar em cada um de nós em todo lugar aonde formos, o tempo todo, dirigindo e guiando individualmente cada um de nós que aceita a mensagem da cruz de Jesus, que reconhece a Verdade da Redenção vivida e ensinada por Ele.

Jesus disse: “O Pai lhes dará um outro Conselheiro para estar com vocês para  sempre, o Espírito da verdade. 

O mundo  não pode recebê-Lo, porque não O vê nem O conhece. Mas vocês O conhecem, pois Ele vive com vocês e estará com vocês.

Dentro de pouco tempo o mundo não me verá mais; vocês porém, me verão. 

Porque Eu vivo, vocês também viverão. Naquele dia compreenderão que estou em Meu Pai, vocês em Mim, e Eu em vocês.” Jo 14:16-20


 Que Deus abençoe a todos.


Fonte: http://www.jesusvivemmim.blogspot.com/


*VISITE TAMBÉM: PC AMARAL - http://www.blogdopcamaral.blogspot.com/ VALE A PENA.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Template Rounders modificado por ::CAMINHO PLANO::
| 29/11/2008 |