domingo, 31 de outubro de 2010

126 - O OUE JESUS ANUNCIOU NO SERMÃO PROFÉTICO?


“E, saindo ele do templo, disse-lhe um dos seus discípulos: Mestre, olha que pedras, e que edifícios!

E, respondendo Jesus, disse-lhe: Vês estes grandes edifícios? Não ficará pedra sobre pedra que não seja derrubada.

E, assentando-se ele no Monte das Oliveiras, defronte do templo, Pedro, e Tiago, e João e André lhe perguntaram em particular: Dize-nos, quando serão essas coisas, e que sinal haverá quando todas elas estiverem para se cumprir.

E Jesus, respondendo-lhes, começou a dizer: Olhai que ninguém vos engane;porque muitos virão em meu nome, dizendo: Eu sou o Cristo; e enganarão a muitos.

E, quando ouvirdes de guerras e de rumores de guerras, não vos perturbeis; porque assim deve acontecer; mas ainda não será o fim.

Porque se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá terremotos em diversos lugares, e haverá fomes e tribulações.

Estas coisas são os princípios das dores.

Mas olhai por vós mesmos, porque vos entregarão aos concílios e às sinagogas; e sereis açoitados, e sereis apresentados perante presidentes e reis, por amor de mim, para lhes servir de testemunho.

Mas importa que o evangelho seja primeiramente pregado entre todas as nações.

Quando, pois, vos conduzirem e vos entregarem, não estejais solícitos de antemão pelo que haveis de dizer, nem premediteis; mas, o que vos for dado naquela hora, isso falai, porque não sois vós os que falais, mas o Espírito Santo.

E o irmão entregará à morte o irmão, e o pai ao filho; e levantar-se-ão os filhos contra os pais, e os farão morrer.

E sereis odiados por todos por amor do meu nome; mas quem perseverar até ao fim, esse será salvo.

Ora, quando vós virdes à abominação do assolamento, que foi predito por Daniel o profeta, estar onde não deve estar (quem lê, entenda), então os que estiverem na Judéia fujam para os montes.

E o que estiver sobre o telhado não desça para casa, nem entre a tomar coisa alguma de sua casa; e o que estiver no campo não volte atrás, para tomar as suas vestes.

Mas ai das grávidas, e das que criarem naqueles dias!
Orai, pois, para que a vossa fuga não suceda no inverno.

Porque naqueles dias haverá uma aflição tal, qual nunca houve desde o princípio da criação, que Deus criou, até agora, nem jamais haverá.

E, se o Senhor não abreviasse aqueles dias, nenhuma carne se salvaria; mas, por causa dos eleitos que escolheu, abreviou aqueles dias.

E então, se alguém vos disser: Eis aqui o Cristo; ou: Ei-lo ali; não acrediteis.

Porque se levantarão falsos cristos, e falsos profetas, e farão sinais e prodígios, para enganarem, se for possível, até os escolhidos.

Mas vós vede; eis que de antemão vos tenho dito tudo.

Ora, naqueles dias, depois daquela aflição, o sol se escurecerá, e a lua não dará a sua luz.

E as estrelas cairão do céu, e as forças que estão nos céus serão abaladas.

E então verão vir o Filho do homem nas nuvens, com grande poder e glória.

E ele enviará os seus anjos, e ajuntará os seus escolhidos, desde os quatro ventos, da extremidade da terra até a extremidade do céu.

Aprendei, pois, a parábola da figueira: Quando já o seu ramo se torna tenro, e brota folhas, bem sabeis que já está próximo o verão.
Assim também vós, quando virdes sucederem estas coisas, sabei que já está perto, às portas.

Na verdade vos digo que não passará esta geração, sem que todas estas coisas aconteçam.

Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão.

Mas daquele dia e hora ninguém sabe, nem os anjos que estão no céu, nem o Filho, senão o Pai.

Olhai, vigiai e orai; porque não sabeis quando chegará o tempo.

É como se um homem, partindo para fora da terra, deixasse a sua casa, e desse autoridade aos seus servos, e a cada um a sua obra, e mandasse ao porteiro que vigiasse.

Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o senhor da casa; se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã, para que, vindo de improviso, não vos ache dormindo.
E as coisas que vos digo, digo-as a todos: Vigiai.” (Marcos 13.1-37)



O chamado “sermão profético” de Jesus é um dos textos mais fascinantes e também mais distorcidos de todo o ensino de Jesus.

Muitos citam estas palavras de Jesus para explicar fenômenos atuais, como se as profecias ali descritas estivessem se cumprindo hoje, diante de nossos olhos.

A referência às guerras, fomes e terremotos parecem estar prevendo o noticiário e os jornais, e tornam-se anúncios e sinais do fim do mundo.

Será que é isto que este texto está ensinando?

Certamente não!


O TEXTO É SIMBÓLICO


Como estas coisas já se cumpriram, fique pronto.

Este capítulo é chamado de “O Pequeno Apocalipse” de Jesus no Evangelho de Marcos.

A linguagem é simbólica e deve ser interpretada com cuidado. (Exemplo: Uma estrela não pode “cair do céu” - 13.25).


O TEXTO É PROFÉTICO


É uma verdadeira predição de Jesus, que advertia seus próprios discípulos e a todos os seus seguidores.

Portanto, o texto tem lições para eles e para nós.

Não devemos esquecer, contudo, que o discurso profético, em sua maior parte, visava transmitir a verdade de Deus para as pessoas daquela geração e não apenas revelar o futuro longínquo.

Profecia, acima de tudo, é ensino.


“Mas o que profetiza fala aos homens, para edificação, exortação e consolação.”

“Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados.” (1Coríntios 14.3, 31).



Os discípulos de Jesus que ouviram este discurso sabiam que ele se aplicava em primeiro lugar a eles e não ao século XXI.


O TEXTO ENTRELAÇA DOIS ASSUNTOS


A destruição de Jerusalém ( “os que estiverem na Judéia fujam para os montes” - 13.14) e o fim do mundo (“anjos... reunirá os escolhidos” - 13.27) são tratados em conjunto.

A destruição de Jerusalém é uma miniatura da tremenda destruição final.

Portanto, a primeira ilustra a segunda.

Este fenômeno de entrelaçar assuntos é chamado pelos estudiosos de “perspectiva profética”, e ocorre em várias ocasiões quando a profecia sobre dois eventos cronologicamente separados apresenta-os como se fossem um só, do ponto de vista do profeta.


A CONVERSA SOBRE O TEMPLO


O templo tinha um aspecto glorioso e majestoso.

Feito de mármore branco, coberto de placas de ouro e adornado por todo tipo de entalhos e colunas.

Algumas pedras chegavam a medir dimensões colossais.

Os historiadores chegaram a dizer que, quando o templo foi tomado e saqueado, havia tanto ouro disponível no mercado, que o preço do ouro caiu muito na província romana da Síria!


A PROFECIA SOBRE O TEMPLO


Jesus predisse a destruição da cidade e do templo.

Era uma profecia surpreendente.

Foi esta profecia que iniciou toda a questão tratada no discurso.

Para os discípulos, a destruição do templo seria equivalente ao fim do mundo.

Embora isto não fosse necessariamente verdadeiro, não poderia ser excluído de todo.

Jesus não sabia qual seria a data do fim dos tempos, logo ele não poderia dizer:

“Oh! A Destruição de Jerusalém é uma coisa, mas o fim dos tempos é outra!”.


Se ele falasse assim estaria “sabendo” a data do fim.

Por causa disto e também por causa da chamada “perspectiva profética” Jesus tratou os dois eventos em um só discurso.

Contudo, ele diferenciou os dois eventos no transcorrer de seu ensino.


A PERGUNTA DOS DISCÍPULOS (3-4)


O grupo mais íntimo perguntou. Eles pensavam em duas questões: Quando?
Que sinal?

A pergunta começa com a curiosidade sobre o futuro do templo judaico.


A RESPOSTA DE JESUS (5-37)


Não sejam enganados (5-8)

Tempos difíceis geram charlatões (5-6).

Vários falsos messias foram anunciados depois de Cristo e antes da destruição da cidade.

João Giscala, Eliezer e Simão Bar Gorgia, homens da Galiléia, Iduméia e Jerusalém, respectivamente, disseram ser “o messias”.


“Porque antes destes dias levantou-se Teudas, dizendo ser alguém; a este se ajuntou o número de uns quatrocentos homens; o qual foi morto, e todos os que lhe deram ouvidos foram dispersos e reduzidos a nada.

Depois deste levantou-se Judas, o galileu, nos dias do alistamento, e levou muito povo após si; mas também este pereceu, e todos os que lhe deram ouvidos foram dispersos.”

“Não és tu porventura aquele egípcio que antes destes dias fez uma sedição e levou ao deserto quatro mil salteadores?” (Atos 5.36-37 e 21.38).



Tempos difíceis geram falsos sinais (7-8).

Houve constante tensão na Palestina.

Antes da revolta dos judeus, havia rumores de guerras contra os PARTOS.

Após a morte de Nero houve guerra civil pelo controle do Império Romano e tomadas de poder por generais (Galba, Oto, Vitélio).

Em 67 um terremoto destruiu Laodicéia.

Também o vulcão Vesúvio acabou com Pompéia em anos posteriores.

Fomes não eram incomuns neste período.

“E, levantando-se um deles, por nome Ágabo, dava a entender pelo Espírito, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César.” (Atos 11.28).
.

“Estas coisas são o princípio das dores”, mas não o cumprimento específico da profecia.

Mostram o caminho para o qual as coisas caminham, mas ainda não são as próprias coisas profetizadas.

As dores de Jerusalém só estão sendo anunciadas, mas nenhum sinal conclusivo e dado.


ESTEJAM PRONTOS PARA A PERSEGUIÇÃO (9-13)


O texto fala de oposição religiosa (9), governamental (9), familiar (12) e geral (13).

Mas neste momento, eles deveriam TESTEMUNHAR e PREGAR o evangelho em toda parte.

O evangelho foi levado a todas as nações.


“E, chegando-se Jesus, falou-lhes, dizendo: É-me dado todo o poder no céu e na terra.

Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;

Ensinando-os a guardar todas as coisas que eu vos tenho mandado; e eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos. Amém.” (Mateus 28.18-20)



Antes da destruição de Jerusalém.


“Se, na verdade, permanecerdes fundados e firmes na fé, e não vos moverdes da esperança do evangelho que tendes ouvido, o qual foi pregado a toda criatura que há debaixo do céu, e do qual eu, Paulo, estou feito ministro.” (Colossenses 1.23).


O jeito é ficar firme até o fim.


A DESTRUIÇÃO DA CIDADE DE JERUSALEM (14-23)


O sinal: a abominação desoladora (14).

O cumprimento de Daniel 9.27 que previa o fim de Jerusalém pela invasão de um exército.


“E ele firmará aliança com muitos por uma semana; e na metade da semana fará cessar o sacrifício e a oblação; e sobre a asa das abominações virá o assolador, e isso até à consumação; e o que está determinado será derramado sobre o assolador."



A expressão foi usada em Daniel 11.31 e 12.11:


“E braços serão colocados sobre ele, que profanarão o santuário e a fortaleza, e tirarão o sacrifício contínuo, estabelecendo abominação desoladora.”

“E desde o tempo em que o sacrifício contínuo for tirado, e posta a abominação desoladora, haverá mil duzentos e noventa dias.”



Com respeito à obra de devastação de Antioco Epifânio, rei grego da Síria que perseguiu a religião dos judeus.

O sinal que Jesus dá é o da aproximação do exército romano, e ele deve estar usando a expressão conforme o uso em Daniel 9.27 que falava do fim da cidade de Jerusalém após “setenta semanas de anos” ou seja, cerca de 500 anos, após a sua reconstrução.

Quando o exército romano fosse visto, então o fim chegaria; Jerusalém iria cair.


A CONDUTA RECOMENDADA FUGIR DA CIDADE (14-18).


Os historiadores cristãos dizem que nenhum cristão morreu com a destruição de Jerusalém.

Eles saíram da cidade em obediência a esta profecia de Jesus.

Os problemas e mandamentos aqui mencionados – fugir para os montes, não entrar em casa, grávidas, inverno – não fazem sentido se aplicados ao fim dos tempos, mas aplicam-se à queda de Jerusalém.


A ADVERTÊNCIA RETOMADA (19-23).


O que não faltou em Jerusalém foi sofrimento e “messias”.

As mães cozinhavam crianças de peito para comer.

Havia pelo menos três chefes militares dizendo ser o “único messias”.

Tudo isto se cumpriu no cerco de Jerusalém.

Morreram 66.000 e outros 89.000 foram feridos.

Josefo diz que morreram 1.100.000 e 97.000 foram presos.

Certamente há certo exagero em Josefo, o historiador judeu, mas a mortandade, de fato, foi imensa.


O FIM DOS TEMPOS (24-27)


O TEMPO (24).


A expressão inicial destes versos deixa a entender que o fim do mundo devia ocorrer logo após a queda de Jerusalém.

Mas é bom lembrar que o tempo na profecia apocalíptica é muito fluído e simbólico.

Também é importante lembrar que poderia ter ocorrido assim!

Desde a queda de Jerusalém, todas as profecias estão cumpridas: não haveria mais necessidade de nada para que a vinda de Cristo se consumasse.

Desta forma, Jesus falar de sua vinda como ocorrendo depois da destruição de Jerusalém não seria nada impossível.


O SIMBOLISMO (24-25).


É típico dos escritos proféticos quando mencionam a intervenção de Deus na história (veja as referências no pé da página da Bíblia).


AVOLTA DE JESUS (26-27).


A descrição destes versículos adaptam-se com a idéia da segunda vinda.


“Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.” (Apocalipse 1.7).


O TEMPO DESTAS PROFECIAS (28-37)


A destruição de Jerusalém é dentro desta geração (28-31).

De fato, dentro de 40 anos a profecia foi cumprida.

Jesus faz uma ressalva sobre “aquele dia”.

A referência é mais facilmente entendível se aplicada à volta de Cristo.


A SEGUNDA VINDA É IMPREVISÍVEL (32).


O mundo deve estar preparado e vigiar (33-36).

A vinda de Jesus é certa.

É uma profecia segura, pois já se cumpriu parcialmente em Jerusalém e seu cumprimento completo no mundo pode ocorrer a qualquer momento.

Jesus já provou que é um profeta que “acerta” suas previsões.

Ele previu que Jerusalém cairia, e aconteceu; ele previu o fim dos tempos, e certamente acontecerá!



Que Deus abençoe a todos



Autor: Álvaro César Pestana



*VISITE TAMBÉM: ASSEM-BERÉIA DE DEUS - http://kedsonni.blogspot.com/ VALE A PENA. Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Template Rounders modificado por ::CAMINHO PLANO::
| 29/11/2008 |